Resenhas

Uma canção de ninar, de Sarah Dessen

22 de novembro de 2019
Resenha da Karina Carvalho sobre o livro Uma canção de ninar, escrito pela Sarah Dessen e publicado no Brasil pela Editora Seguinte.

Remy não acredita no amor. Sempre que um cara com quem está saindo se aproxima demais, ela se afasta, antes que fique sério ou ela se machuque. Tanta desilusão não é para menos: ela cresceu assistindo os fracassos dos relacionamentos de sua mãe, que já vai para o quinto casamento.
Então como Dexter consegue fazer a garota quebrar esse padrão, se envolvendo pra valer? Ele é tudo que ela odeia: impulsivo, desajeitado e, o pior de tudo, membro de uma banda, como o pai de Remy — que abandonou a família antes do nascimento da filha, deixando para trás apenas uma música de sucesso sobre ela.
Remy queria apenas viver um último namoro de verão antes de partir para a faculdade, mas parece estar começando a entender aquele sentimento irracional de que falam as canções de amor…

Fonte da sinopse: Companhia das letras

Remy não acredita no amor e ponto final. Ver sua mãe entrar e sair de casamentos e ter sido abandonada pelo pai que deixou para ela uma única música de ninar faz com que Remy cresça (ou ache que cresceu) mais rápido. A garota organiza a vida de todos, tudo parece sempre estar bem no controle (ela sabe exatamente o que fazer e pra onde ir após terminar o colégio). Ela sabe aproveitar seus romances até o ponto em que eles começam ficar sérios. E quando a garota está organizando o quinto casamento da mãe, que é uma excêntrica escritora de sucesso, ela esbarra, ou melhor, dá um belo de um encontrão em Dexter.

“O nome da música é ‘Canção de ninar’. A esta altura, devo tê-la ouvido um milhão de vezes. Mais ou menos.”

Se já não acreditar no amor não fosse o suficiente, a regra mais importante de Remy e não confiar em músicos. Mas mas queria Deus, o destino ou a Sarah Dessen mesmo que Dexter fosse o vocalista de uma banda que está a procura do sucesso que irá derreter o coração e irritar o leitor da mesma maneira que faz com a Remy, rs! Sim! aqui tem aqueles clichês de mocinho que vem para quebrar os paradigmas da mocinha, mas digamos que se você ler Uma canção de ninar um pouco depois da sua adolescência (o que foi o meu caso) talvez a insistência do garoto de que eles são o maior OTP e só a Remy não percebe lhe incomode um pouco [amigo o não é não]. Antes de prosseguirmos preciso confessar que a descrição do Dexter me faz lembrar o Seth do seriado The O.C e ai não conseguir odiar mais o garoto #ShameOnMe !

“Sabe, quando dá certo, o amor é realmente incrível. Não é superestimado. Há um motivo para existirem tantas musicas sobre ele.”

Então seguimos naquela receita de que eles se encontram, se aproximam e vão se envolvendo no meio dessa amizade que está cada vez mais colorida. Remy percebe que seus padrões de relação talvez estejam comprometidos e ela precisa tomar uma atitude baseada no que quer para o futuro e o que viveu no passado. Há uma pincelada de leve em assuntos mais delicados quando o passado de Remy é mostrado. Sem dar maiores spoilers, posso dizer que Remy passa por uma montanha russa de comportamento durante a adolescência.

E tudo se resumia a amor, ou a falta dele. Tudo o que arriscamos, sem saber muito bem, ao nos apaixonarmos ou nos afastarmos e nos fecharmos, protegendo nosso coração com toda força.

O núcleo de personagens e bem variado: a família da Remy e composta por ela, o irmão e a mãe. Em alguns momentos podemos juntar a esse núcleo um padrasto e a namorada/noiva do irmão; no núcleo de amigos, Remy tem 3 amigas, sem contar o Dexter e seus companheiros de banda. É muito personagem pra poucas páginas, mas são legais ao ponto de eu querer saber mais sobre.

E essa é a chave. É como um grande gráfico em forma de pizza, em que o amor tem que ser a fatia maior. O amor compensa muita coisa, Remy.

Enquanto passa pelos seus últimos dias de verão antes de ir para Stanford a garota nem se dá conta do quanto ela quebra as próprias regras e o quanto isso a faz amadurecer de verdade. A mãe tem um papel importantíssimo depois de todos esses anos saindo e entrando em relacionamentos quando finalmente mostra uma outra maneira de enxergar as situações para a Remy e essa parte em especifico do livro ganhou meu coração !

E amar é precisar de alguém. É aturar características ruins porque a outra pessoa de alguma forma, te completa.

Mesmo que em alguns momentos o enredo se torne meio morno, as mudanças vem queira a Remy (e a gente) esteja pronta ou não. As avaliações que ela se vê obrigada a fazer nas relações que ela construiu com a mãe, o irmão, os amigos e até Dexter são fundamentais para completar a historia e colocar esse livro naquele cantinho de leituras rapidinhas de um dia.

Talvez vocês já estejam cansados de ver a capa de Uma canção de ninar por ai , mas não posso deixar de ressaltar nossa capa ganha disparada em beleza! Ponto pra edição brasileira. Não sei vocês, mas eu amo quando meus livros de uma mesma autora combinam entre si .

Uma canção de Ninar
Autor
: Sarah Dessen | Tradução: Flávia Souto Maior
Editora: Seguinte
Páginas: 350 | ISBN: 9788555340116
Skoob | Goodreads
Para ler: https://amzn.to/33Xfbjf

Ósculos e Amplexos, Karina.

Você poderá gostar de

Nenhum comentário
comentários pelo Facebook

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.